segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Quando o sinal de Internet é fraco

Olá!

Decerto já se aperceberam que estou, novamente, a postar pouco. E, acreditem não é por falta de ideias ou tempo. A razão já a leram no título e vou explicar-vos um pouco melhor a situação: na casa onde vivo agora, não tenho aqueles pacotes de internet ultra rápida. O que tenho é aqueles dispositivos portáteis da Nos (o Kangoroo) que não apanha sinal em alguns locais. Esta situação levou-me a uma profunda reflexão (escrita, que agora transcrevo) no primeiro dia do ano de 2018, altura em que me apercebi que os dias de navegação no Youtube em alta definição ou os stories no Instagram sofreriam algumas alterações, tem em conta a minha fraca conexão de internet.

Fonte - Peter Heeling
No 1º dia do ano de 2018 regressei a terras continentais e, após um dia exaustivo (acordar às 6 horas da manhã, aeroporto, avião, comboio e só chegar a casa 10 horas depois), aquilo que mais queria fazer era ligar o computador, ler uns blogues e ver Youtube. Quando cheguei a casa da minha tia, das primeiras coisas que fiz foi ligar o aparelhito da Internet Móvel. Temia que, pela localização o sinal não fosse o melhor (o meu telemóvel inclusivé costumava falhar por estas bandas) e, infelizmente, os meus receios tornaram-se realidade. Consegui encontrar alguns recantos, onde o sinal parecia ser "forte" (isto é, consiguia abrir 1 ou 2 sites de cada vez, ver um video na qualidade mais baixa), mas, na generalidade, parecia que a coisa não seria a melhor, comparada à internet super rápida a qual estou habituada.
Nessa noite, depois de muito cansaço emocional por ter, novamente, de deixar a minha alegre casinha aliado ao cansaço físico, confesso que me senti desesperada. Sentia que sem Internet estava desligada do mundo, que não saberia de nada e, senti-me, acima de tudo, sozinha.
Quando me sinto assim, a melhor coisa que tenho a fazer é chorar, para eliminar esses pensamentos negativos e, posteriormente, relativizar e encontrar soluções.
A primeira coisa que me veio à cabeça foi "Sofia... a sério que estás a chorar feita maria madalena porque não tens internet?! Tu estás louca?!?!" "Sim, estou, por isso deixa-me chorar".
Passados uns 5 minutos, peguei, à pressa, numas folhas e numa caneta e rabisquei aquilo que me vinha na alma (incluindo o esboço deste mesmo texto) e percebi que isto de ter pouca Internet tem as suas vantagens: desde aprender a conviver mais comigo mesmo até a arranjar tempo para outras coisas.
Por isso, fiz um brainstorm de 5 minutos daquilo que posso fazer quando o sinal estiver fraco foi isto que surgiu:

  • Conviver com pessoas: duh!
  • Brincar com os cães: aqui tenho 4
  • Caminhadas: queimar as baninhas do Natal
  • Ver televisão: olhem que a oferta por vezes é boa, nomeadamente na RTP2 e na RTP Memória, sim, porque eu só tenho os canais básicos
  • Ver filmes: ao domingo à tarde, na SIC, o que é sempre bom para o desafio deste ano)
  • Ler livros: uma coisa óbvia.. já li 1 (quem me segue no Instagram sabe qual é), paralelamente ao Guerra e Paz
  • Escrever para o blogue: nem que seja à moda antiga (à mão) ou, então, preparar fotografias, reunir material de trabalho e todo o backstage que um blogue envolve
  • Meditar: faz tão bem logo de manhã ou após um dia cansativo
  • Conduzir: e conhecer novos locais
  • ... Deixem nos comentários se se lembrarem de mais alguma coisa...

Com isto, o que vos tenho a dizer?
  1. Não se sintam mal por chorarem por coisas parvas (internet, roubaram-me o meu gelado de morango, aquele idiota que me buzinou no trânsito). Alias, nunca tenham medo de chorar. 
  2. Ficar sem Internet não é o fim do mundo. 
  3. Frequentem locais com Internet de fácil e acesso e tomem partido disso (por exemplo, a Biblioteca Públcia aqui da zona, para alem do sinal fantástico, permite alugar livros e filmes, ou seja, arranjar entretenimento)
  4. Saiam de casa: combinem cafés com amigos ou familiares, dêem passeios, aproveitem a vida offline.
  5. As coisas eventualmente vão melhorar: o meu sinal de internet melhorou muito este fim-de-semana. Se se mantiver assim, já é muito bom (finalmente consigo ver insta stories sem dados).
Eu sei que esta história toda poderá parecer bizarra, sobretudo porque muita gente tem problemas piores do que má conexão da Internet. Ainda assim, espero que algumas das palavras que vos deixei aqui vos possa ser um dia ser útil.
Até à próxima
xoxo



segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Pré-Movie 36

Olá!
Como sabem estou a participar no desafio Movie 36, sendo que uma das coisas que quero fazer mais este ano é ir ao cinema. Por isso, fiz uma pesquisa no Sr. Google para saber que filmes vão estrear em 2018 e aquilo que encontrei é promissor, particularmente nos meses de Janeiro e Fevereiro, já que coincide com a temporada dos grandes prémios como os Globos de Ouro e Óscares, e elaborei esta lista a partir das informações que encontrei no IMDB (Internet Movie Data Base), incluindo fotos e sinopses.

Molly's Game

IMDB
Fonte
Data de estreia: 4 de Janeiro de 2018
Baseado no livro homónimo, conta a história de Molly Bloom, uma esquiadora olímpica, que, paralelamente conduziu um dos mais exclusicos jogos de poker clandestinos antes de ser presa pelo FBI. A lista de jogadores incluia a realeza de Hollewood, estrelas do mundo do desporto, empresários e a máfia russa. O seu único aliado é o seu advogado de defesa Charlie Jaffey que percebeu que há mais sobre a sua cliente do que aquilo que os tablóides publicam.


Three Billboards Outside Ebbing, Missouri


IMDB
Fonte
Data de estreia: 11 de Janeiro de 2018
É uma comédia/drama de humor negro que conta a história de uma mãe que desafia as autoridades locais a resolver o homicídio da filha após meses sem se descobrir o culpado. Está nomeado para 6 Globos de Ouro (nas categorias melhor filme, melhor ator/atriz, melhor diretor, melhor banda sonora) e é bem provável que seja um concorrente aos Óscares.

Darkest Hour

Fonte
Data de estreia: 11 de Janeiro de 2018
O filme retrata os primeiros dias de Winston Churchill como primeiro-ministro do Reino Unido no inicio da 2ª guerra mundial, incluindo desafios importantes como a negociação de um tratado de paz com os nazis versus a luta pelos ideias de liberdade da nação. Para quem já me segue há algum tempo sabe que eu interesso-me por assuntos relacionados a esta época, pelo que não será surpresa que este filme esteja na minha lista

Mudbound

Fonte
Data de estreia: 18 de Janeiro de 2018
Dois homens regressam da 2ª Guerra Mundial para trabalhar numa quinta no Mississippi rural onde lutam para lidar com o racismo e ajustar-se à vida pós-guerra

The Post

Fonte
Data de estreia: 25 de Janeiro de 2018
Uma batalha entre o jornalismo e o governo, após o primeiro jornal publicado por mulheres descobrir uma história encobrida por 4 presidentes americanos. Conta com a participação da Meryl Streep (rainha do cinema, só por isto o filme já vale a pena), Tom Hanks, Sara Paulson (quem vê American Horror Story sabe que esta atriz é fantástica) e Bob Odenkirk (Better Call Saul) sob direção de Steven Spielberg. Se este filme for como o Spotlight, que é um filme de jornalismo de investigação, vai entrar diretamente na minha lista de filmes preferidos.

The Shape of Water

IMDB
Fonte

Data de estreia: 1 de Fevereiro de 2018
Do realizador Guillermo del Toro e nomeado para 7 Globos de Ouro, também nas categorias de melhor filme, diretor, actor/atriz, o filme passa-se em 1962 em plena época da Guerra Fria. Num laboratório secreto do governo Elisa está presa numa vida de isolamento. Quando ela e a sua colega Zelda descobrem uma experiência classificada as suas vidas mudam para sempre.

I, Tonya

Fonte
Data de estreia: 22 de Fevereiro de 2018
Tonya Harding, patinadora artística cresce no ranking dos campeonatos americanos, mas o seu futuro é incerto quando o seu ex-marino intervem. Eu já vi o trailer deste filme e fiquei imensamente curiosa. Nomeado para 3 Globos de Ouro nas categorias de melhor filme e melhe atriz prinicipal/secundária.


IMDB
Fonte
Data de estreia: 29 Março de 2018
Em Julho de 1976, um voo da Air France de Tel-Aviv para Paris, via Atenas foi sequestrado e forçado a aterrar em Entebbe, Uganda. Os passageiros Judeis foram separados e feitos reféns para negociar o resgate de terroristas presos em Israel. Depois de intenso debate, o governo israelita envia uma unidade de elite para libertar os reféns. É uma história baseada em factos verídicos (os quais só vou pesquisar após ver o filme, para não "estragar a surpresa") e é um filme de ação (um dos meus géneros preferidos). 

Hotel Mumbai

Fonte

Data de estreia: 24 de Abril de 2018
É a história real baseada nas vítimas e sobreviventes dos ataques terroristas de 2008 em Mumbai ou Bombaim. Apesar da tragédia e, associando à política mundial atual, esta filme celebra a compaixão, a coragem, a resiliência e o desejo de viver

Isle of Dogs

IMDB
Fonte
Data provável de estreia: 25 de Abril de 2018
Um filme de animação em stop-motion, que relata um futuro distópico no Japão, no qual os cães foram colocados numa ilha devido a uma "gripe canina" e aí vivem isolados, até que um rapaz  chamado Atari decide partir em aventura à procura do seu cão, Spots.

The Man Who Killed Don Quixote
IMDB
Fonte
Data provável de estreia: Maio-Setembro de 2018
Um executivo salta entre o século 21 em Londres e o século 17 em La Mancha onde Don Quixote o confunde por Sancho Panza.Este filme, comédia/acção/fantasia é particularmente curioso porque o realizador Terry Gilliam conseguiu finalmente concretizar o filme, após 8 tentativas em 19 anos. Mais, é bem provável que algumas cenas sejam familiares, já que foi parcialmente rodado no Convento de Cristo, em Tomar. Quem esteve em Tomar em Abril/Maio de 2017 concerteza deverá ter visto todo o aparato da rodagem, bem como algumas personagens (figurantes) devidamente caracterizados.

IMDB

Fonte


Data provável de estreia: 18 de Julho de 2018

O filme vai levar-nos até ao passado de Donna, quando ela conheceu os 3 possíveis pais de Sophie que, atualmente está grávida e percebe que precisa de cometer riscos na vida, tal como a sua mãe fez.



White Boy Rick

IMDB
Fonte
Data provável de estreia: 15 de Agosto de 2018
Mias uma história baseada em factos verídicos, que conta a história do adolescente Richard Wershe Jr., que se torna um informador secreto do FBI durante os anos 80 e acaba preso por tráfego de droga e setenciado a prisão prepétua. 
A principal razão pela qual este filme me despertou curiosidade foi pelo seu ator principal, Matthew McConaughey, que nos últimos anos tem desempenhado papéis fenomenais, como no Dallas Buyers Club e The Wolf of Wall Street (eu ainda não vi o Interstellar, situação que irei resolver ainda este mês).

IMDB
Fonte
Data provável de estreia: Outubro de 2018
Baseado no livro "O livro da Selva" (eu tenho e ainda não li), esta será uma versão mais dark daquela que foi lançada pela Disney em 2016 e conta a história de um rapaz orfão que é criado na selva.

Fantastic Beasts: The Crimes of Grindelwald 

IMDB
Fonte
Data de estreia: 15 de Novembro de 2018
É o segundo filme da saga Animais Fantásticos e onde Encontrá-los, que segue as aventuras de Newt Scamander. Eu cresci com a saga do Harry Potter e li todos os livros e filmes (sei algumas falas de cor), por isso é óbvio que este menino vinha parar cá à lista.

Bohemian Rapsody

IMDB
Fonte
Data provável de estreia: Dezembro de 2018
O filme é uma crónica sobre os Queen, que culmina no concerto legendário do Live Aid em 1985. Esta é umas das minhas bandas favoritas pelo que só por isso a história interessa-me.

Mary Poppins Returns

Fonte
Data provável de estreia: 25 de Dezembro de 2018
Parece que vamos voltar atrás no tempo no próximo Natal, ao revisitar um dos maiores clássicos do cinema, Mary Poppins. Agora, na era da Depressão em Londres, Jane e Michael Banks (e os seus 3 filhos) recebem novamente a visita da Mary Poppins após uma perda pessoal, o que vai ajudá-los a redescobrir a alegria que falta nas suas vidas.

Este post já deveria ter sido lançado há alguns dias, contudo a minha internet não é lá grande coisa (espero que ela melhore nos próximos tempos). Além disso, a gala dos Globos de Ouro foi ontem e alguns dos filmes desta lista ganharam muitos prémios. Por fim, é provável que tenha falhado algum grande lançamento, por isso se tiverem alguma sugestão deixem-na nos comentários, por favor.

(Também não sei porquê que alguns dos textos aparecem desformatados, às vezes acho que estes computadores têm vida própria xD)

Obrigada pela vossa atenção!
xoxo


Publicação inserida no projeto #MOVIE36

A criadora, Carolayne Ramos, do blogue "IMPERIUM". 
A parceira oficial é a Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World" \\ 
As participantes:
 Inês Vivas, "VIVUS " | Vanessa Martins, "Make It Flower " | Joana Almeida, "Twice Joaninha" | Joana Sousa, "Jiji " | Alice Ramires, "Senta-te e Respira " | Cherry, "Life of Cherry " | Sónia Pinto, "By The Library " | Francisca Gonçalves, "Francisca " | Inês Pinto, "Wallflower " | Carina Tomaz, "Discolored Winter " | Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia" | Rosana Vieira, "Automatic Destiny " | Abby, "Simplicity " | Sofia, "Ensaio Sobre o Desassossego "

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Diário de uma IAC #1

Olá!
Recuperados da passagem de ano? Dia 1 de Janeiro começou bem cedo para mim, já que tive de regressar a terras continentais por mais 1 ano. Foi um voo super tranquilo e que chegou 15 minutos mais cedo do que o previsto. Após algumas horas de espera no aeroporto pela minha tia, que vinha de Londres, apanhámos o comboio até casa, em Tomar.
2018 marca o meu primeiro ano de trabalho como Médica (ainda não assimilei este facto e confesso que botei umas lágrimas quando peguei no meu cartão da Ordem pela 1ªvez), neste caso como Interna do Ano Comum (mais conhecido por IAC).

E o que faz um IAC num hospital?
A nossa função neste primeiro ano é, de uma forma muito simples, ganhar experiência. Não nos é exigido o mesmo nível de conhecimentos de um Interno de Formação Específica (que são os médicos que já escolheram a especialidade), mas também não somos alunos da faculdade ou meros observadores, pois já temos alguma autonomia na nossa prática.

Como foi o meu primeiro dia no hospital?
Lembram-se da sensação que tinham no primeiro dia de aulas quando eram crianças? Aquele frio na barriga, aquela ansiedade de não saber bem o que nos espera, de não conhecer quase ninguém e a expectativa de conhecer novas pessoas. Foi assim que me senti.
Para já, eu não conhecia o hospital, nunca lá tinha estado nem conhecia bem o caminho. A minha tia deu-me algumas indicações e, para segurança, liguei o GPS do meu telemóvel (Meo Drive que funciona sem internet) e fiz-me à estrada. Cheguei 10 minutos antes da hora, não me perdi nem tive nenhum percalço pelo caminho (não conduzia há 6 meses). Entrei, timidamente, no hospital e conheci logo dois dos meus colegas. Depois entramos para o auditório e ficamos a conhecer a nossa nova casa. Ou melhor. As nossas novas casas, porque iremos trabalhar em vários locais.
A manhã foi passada a tratar de burocracias: papéis para os recursos humanos, IRS, ADSE, formulários e escolha das rotações (isto é, estágios). Começo por Cuidados de Saúde Primários, o que significa que vou para o Centro de Saúde durante 3 meses.

E vocês, como foi o vosso início de ano? Deixem nos comentários e sigam o blogue, bem como o meu instagram, onde tento postar com mais regularidade (isto porque a minha internet é muito lenta, só funciona numa parte da casa e isso levou-me a uma quase crise de ansiedade e vem aí uma reflexão sobre esse assunto).

Até à próxima
xoxo

sábado, 30 de dezembro de 2017

Carpe Diem e outras lições de 2017

E, de repente, 2017 está a chegar ao fim. O cliché mantém-se, "parece que o tempo passou a correr" e é bem verdade.
Este ano foi intenso. Foi ano de terminar o curso, de fazer um dos exames mais importantes da minha vida e de aprender a lidar com o stress, ansiedade, medo. Foi um ano que aprendi muito sobre mim, sobre os outros e sobre muitas outras coisas. E porque nenhum aprendizado fica completo se não for transmitido aos outros, é isso que venho fazer hoje.


Carpe Diem

Os profissionais de saúde lidam todos os dias com a morte. Todos os dias morre um pai, uma mãe, um filho, uma irmã. Tentamos não pensar nisso, arranjamos mecanismos de defesa e quando saímos do hospital ocupamos a nossa mente com outros assuntos do quotidiano.
Agora vou dar-vos a prespetiva da estudante de medicina/jovem médica. Entramos no curso de Medicina com o sonho que vamos salvar vidas, que vamos mudar vidas, que somos espetaculares, que fazemos coisas que muita gente só em sonhos consegue fazer, fazemos coisas que há 100 anos eram inimagináveis. Efetivamente fazemos a diferença na vida das pessoas (nós e todos os profissionais que trabalham connosco como enfermeiros, auxiliares, assistentes sociais, recepcionistas, seguranças, técnicos de saúde, farmacêuticos....) e na maioria das vezes somos bem sucedidos. Mas não somos deuses. Não controlamos todas as variáveis que estão em jogo na vida. E as pessoas morrem, mesmo quando todos os esforços são empenhados para as salvar.


O "meu" primeiro paciente que morreu inesperadamente aconteceu num dos meus estágios de 6ºano, este ano.
Nós fazíamos tabelas relativas aos nossos pacientes, onde, basicamente, temos um resuminho sobre a história e evolução de cada um deles, algo que é útil sempre que fazíamos a visita porque permitia perceber logo se algo de errado se estivesse a passar. Não que uma pessoa não se lembre dos pacientes, mas eles são muitos, têm diferentes doenças e, para prevenir erros, mais vale jogar  pelo seguro.
Numa determinada altura, tínhamos um doente relativamente novo que estava internado por uma patologia respiratória. Ele estava a evoluir bem e tudo levava a crer que iria melhorar. Conversávamos várias vezes com a família, dávamos palavras de conforto e esperança e oferecíamos o melhor tratamento que havia. Certo dia o nome desapareceu da tabela. Eu sabia que ele ainda não estava em condições para ter alta e que não havia nenhum pedido de transferência para outro serviço. Fiquei preocupada. "Onde está o paciente X?". A interna que estava connosco gelou e disse "meninas, infelizmente ele faleceu ontem à tarde. Teve uma complicação súbita e apesar de todos os esforços desenvolvidos pela equipa não foi possível salvá-lo". Frustração foi o que todos sentimos naquele dia. Sabíamos que fizemos tudo ao nosso alcance, que o paciente estava a melhorar e, de repente, a pior notícia possível.

E isto é o que este paciente me ensinou (sem nunca me ter dito uma única palavra, pois ele não conseguia falar): a vida muda, dá uma volta de 180 graus e geralmente quando não estamos à espera. Podes estar a conduzir para o trabalho e sofrer um acidente de automóvel (knock on wood). Por isso, carpe diem ou aproveita o momento e confia pouco no futuro. Não vás dormir chateado com alguém que gostas. Pega no telefone e liga aos teus pais e diz que os adoras. Manda mensagem a uma amiga e diz que ela é especial. Vive a tua vida sem arrependimentos e não adies muito os teus sonhos (mas também não precisas de deixar tudo para trás e viajar pelo mundo!). 

Gratidão

Derivado dessa primeira lição, veio a segunda.
Gostamos muitos de reclamar: é o cabelo que está horrível, é o trânsito infernal das 6 da tarde, é aquela celulite chata nas coxas, é aquelas gordurinhas, etc. Está na nossa natureza reclamar, é uma das muitas coisas que nos torna humanos.
Acontece que, muitas vezes, esquecemo-nos de fazer o oposto: agradecer.









Proponho-vos um exercício para este final de ano. Façam uma lista de 25 coisas pelas quais vocês são gratos. Podem achar que é "missão impossível", mas facilmente vão encontrar muitas coisas coisas (muito mais do que 25) pelas quais podem agradecer.
"Eu sou grata pela minha vida, por acordar todos os dias, por conseguir andar e fazer quase tudo de forma independente, por ser inteligente, por ter uma família e amigos que me apoiam incondicionalmente, por ter terminado um curso e ter trabalho para o ano, por conseguir ver, ouvir, sentir, andar, por ter uma casa, por nunca me faltar nada à mesa para comer, por ter eletricidade, água potável, saneamento básico, um computador, internet, telemóvel, por ter dinheiro que dá para sobreviver e, de vez em quando, comprar coisas que quero, que o meu país não está em guerra, que posso sair à rua sem sentir muito medo, por conduzir, por ter seguidores no blogue..."
Sempre que tiverem um dia mau ou se sentirem mais tristes ou desesperados, peguem nessa lista e leiam-na em voz alta.

Organização

"Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo e bem feito" - Pitágoras
Terminei Medicina este ano e o último ano do curso é, de longe, o mais cansativo, por ser necessário conciliar estágios, exames da faculdade, aulas de preparação para o Harrison (exame que vai definir qual a especialidade que vou escolher) e estudar.


Por isso, tive mesmo de aprender a organizar-me e digo-vos que isso permitiu que eu tivesse tempo para tudo aquilo que mencionei em cima e ainda para conviver com os meus amigos e com a minha família e para descansar. Como? Já escrevi anteriormente sobre o assunto e hei de voltar a escrever, porque acho que isto são coisas que são fundamentais na vida, que deveria ser ensinado nas escolas às crianças. Envolve aprender a estabelecer metas e objetivos, conhecer diferentes métodos de estudo e ajustar aquilo que melhor se adapta a nós, calendarizar a vida, recompensar-se de vez em quando e desligar daquilo que estamos a estudar quando necessário.

 Mercúrio Retrógrado

Por fim, e para acabar de uma forma mais ligeira, a lição é: não comprar coisas durante o período de Mercúrio Retrógrado. 


Sofia, estás a falar do quê? Eu confesso que gosto muito de Astrologia, mesmo que lhe chamem pseudociência, charlatanice, etc. Não sei explicar, acho piada ao assunto. Mercúrio é o planeta regente de Gémeos (signo da comunicação) e Virgem (signo da organização). Quando um planeta está retrógrado significa que ele está num movimento contrário ao normal (atenção que isto não acontece assim na realidade, em boa verdade nem sei bem como acontece). A combinação disto é que há falhas na comunicação e na organização. Há maior probabilidade de cair telemóveis ao chão, avariar eletrónicos, carros etc. É provável que as pessoas tenham maior dificuldade em se comunicar com os outros, existam mal-entendidos. Com tudo isto, os astrólogos até aconselham que nesta altura não se deve comprar coisas importantes, assinar contratos. 
E porque dizes para não comprar nada nesta altura? Simples, meus caros. Eu tive de comprar a minha viagem de regresso para o continente em cima da hora e por medo que a viagem ficasse mais cara, comprei-a assim que possível, durante o tal período de Mercúrio Retrógrado. Uma semana depois (já essa altura teria terminado) a viagem ficou 60 euros, mais barata. Inspira, Respira, Não Pira.. Querem mais um exemplo? Em Julho, outra altura em que Mercúrio também estava retrógrado, uma televisão aqui da casa avariou e colocamos a arranjar. Sabem quando ficou pronta? A semana passada. Sim. Leram bem. Demoraram quase 5 meses a arranjar uma televisão. 
Para 2018 as datas em que Mercúrio estará Retrógrado serão as seguintes: 22 de Março a 15 de Abril, 26 de Julho a 18 de Agosto e 16 de Novembro a 6 de Dezembro. Podem acreditar ou não, mas ficam avisados (e quem avisa teu amigo é xD )

Bom, se chegaram até aqui (acho que nunca escrevi tanto aqui) este é o último post de 2017. Que 2018 vos traga muitas alegrias, que consigam alcançar os vossos objetivos e espero que continuem por aqui.
Beijinhos!!
xoxo

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

After Christmas

Olá!
Não sei de vocês, mas eu ainda estou em modo hibernação pós Natal. Foram sobremesas, pratos principal, chocolates (aaaiiiii os Rafaellos!!), aperitivos (as minhas queridas broas), licor, enfim, tudo o que é bom desta maravilhosa época festiva. Foram? Não, ainda é, porque agora é comer os restos.
Akward Yeti
Fonte
É mais do que sabido que esta é uma das épocas dos excessos e que, efetivamente, muita gente exagera naquilo que consome, contudo o problema não está naquilo que se come esta época, mas sim nos restantes dias do ano. Eu sou apologista que a nossa dieta deve ser sempre equilibrada, sendo que alguns dias no ano devem ser reservados para a loucura.

Akward Yetti
Fonte

E o que recebi este Natal? 
O melhor presente foi poder ter tido a oportunidade de passar esta quadra com os meus pais, com a minha família e com os amigos mais próximos. Não que nunca fosse o caso, mas se há lição que eu (re)aprendi este ano (vão ler mais sobre o assunto no próximo post) é que a vida muda num instante e muitas vezes quando menos se espera.
De resto, não pedi muita coisa. As minhas maiores necessidades agora é roupa, porque praticamente tudo o que tenho está desgastado e a maioria é do que tenho são peças de Verão. Já ando à caça nos saldos, porém, como o salário só se recebe no fim de Janeiro, não dá para gastar muito. 
Entretanto, ofereceram-me duas camisolas de malha (essenciais para o frio e para a chamada técnica da cebola na montagem de looks) e umas pantufas-husky (para não andar descalça pelo chão da casa como tenho o hábito de fazer).
Por último, participei em montes de passatempos natalícios em vários blogues e finalmente consegui ganhar um prémio - dois produtos da Biotherm!
E vocês? O que receberam?

Prendas
Pele oleosa

Espero que estejam a aproveitar esta época maravilhosa e que o espírito natalício de paz, amizade, solidariedade se prolongue por 2018. Ainda tenho mais um post para este ano, portanto fiquem atentos.
xoxo

domingo, 24 de dezembro de 2017

Christmas Details

Olá!
Hoje é véspera de Natal e tenho a certeza que por aí muita gente estará ocupada a preparar os últimos detalhes desta consoada. Assim sendo, e sem mais demoras, hoje trago algumas fotografias de como ficou a decoração de Natal na minha casa. 
Espero que gostem!























Que o vosso Natal seja feliz, repleto de luz e paz e que aproveitem para estar com os que mais amam!
Beijinhos!

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Série do Mês: Stranger Things

Olá!
O blogue anda, de facto, muito pouco natalício, tirando a TAG que respondi, a wishlist/lista de sugestões de livros e a agenda solidária (que, já agora, são óptimas sugestões caso ainda precisem de ajuda nas compras de Natal), mas, não se preocupem, porque eu ainda vou mostrar algumas coisinhas (incluindo decoração da casa e da baixa do Funchal) nem que seja depois de 25 de Dezembro (mais vale tarde do que nunca). 
Eu disse em posts prévios que este ano não houve filmes nem séries novas até Novembro, por isso, e enquanto não começo a trabalhar (em Janeiro temos novidades) estou a aproveitar, entre outras coisas, para devorar séries, particularmente aquelas que se encontram no Netflix. Ora, eu, o ano passado, já tinha aproveitado este serviço de forma gratuita, mas, por alguma razão (quiçá intervenção divina?) voltei a ter um mês gratuito.
Houve uma série que foi particularmente muito comentada o ano passado. Era "OMG", "Vocês não sabem o que estão a perder", "É incrível!" até um "Vi em 3 dias". Entretanto, a segunda temporada saiu final de Outubro deste ano e os comentários voltaram a repetir-se. Nesta altura estava mesmo na recta final de estudo antes do exame, praticamente só vivia para o Harrison (triste, eu sei) e não podia dar-me ao luxo de prestar muita atenção ao que se passava, mas não deixei de ficar com a pulga atrás da orelha.
Assim, logo que a oportunidade surgiu, sentei-me no sofá e preparei-me para ver aquela que diziam quer era uma das melhores séries dos últimos tempos - Stranger Things.

Fonte
Inspirada nas obras de Steven Spielberg, John Carpenter e Stephen King, esta é uma série de ficção científica/terror criada pelos irmãos Duffer, retratando a época dos anos 80.

"Numa pequena cidade, um acidente peculiar inicia uma corrente de eventos que levam ao desaparecimento de uma criança. Agências governamentais secretas e forças sobrenaturais convergem nesta comunidade, outrora pacífica, enquanto alguns cidadãos começam a perceber que nem tudo é o que parece"


Inicialmente, receei que todo o hype em relação a esta série fosse um exagero e que ela não seria nada de especial. Não sei a vocês, mas eu adoro quando me engano em relação a este tipo de coisas, porque a série é, juro, ES-PE-TA-CU-LAR!

A primeira coisa que tenho a destacar é o desempenho dos actores mais jovens. Estamos a falar de crianças com 13-16 anos atualmente (o que significa que quando começaram a gravar teriam menos 2 anos) que são incrivelmente credíveis na sua representação. Daqui tenho que destacar a Millie Bobby Brown, que interpreta a misteriosa Eleven. Ela diz, no máximo 200 palavras em toda a série, mas são as emoções que ela retrata com a sua postura corporal e expressões faciais que elevam a personagem a um outro nível.

A segunda é a caracterização da época que a série retrata, os anos 80, desde o estilo de roupa e penteados até à música, estilo de filmagem, carros, acessórios, comportamentos, etc. Numa era em que os computadores e telemóveis eram existentes, as crianças recorriam à sua imaginação para brincarem e tinham uma liberdade que hoje em dia as crianças parece que não têm (eles andavam de bicicleta para todo o lado, incluindo para a escola).

A terceira é a história. Eu demorei a entender o que raio se estava a passar, mas a forma como a narrativa está construída faz com que, mesmo que não se perceba, dê vontade de continuar a assistir. Não demorei 3 dias, mas vi as 2 temporadas disponíveis numa semana e meia. E estou ansiosa para que chegue a 3ª temporada. 

Quanto ao género, ela é definitivamente ficção científica (se bem que existem algumas teorias que abordam um dos temas na Física), contudo não é assim tão assustadora, se bem que tem aqueles momentos de sobressalto (nota: fechem as persianas/tapassóis. A minha casa é um íman de gatos e num dos momentos de maior suspense, um achou piada de passar pela janela da minha sala e espreitar para dentro para ver o que se estava a passar... escusado será dizer que apanhei um valente susto). 

E vocês já viram esta série? Que outras recomendam? Deixem nos comentários.
Até à próxima!
xoxo