terça-feira, 5 de abril de 2016

Budapeste - Parlamento (ou o dia em que quase fui presa)

Quando estamos de viagem, acontece sempre peripécias bem engraçadas e que acabam por ser as nossas melhores memórias do local. É assim o caso da minha visita ao Parlamento de Budapeste.

O Parlamento de Budapeste é onde se reune a Assembleia Nacional da Hungria e é o edifício mais alto da Hungria e um dos edifícios legislativos mais antigos da Europa. A entrada é paga (à volta de 7 euros, se estudantes e 15€ se não-estudantes) e a visita é obrigatoriamente guida e vigiada pela polícia, já que este é um edifíco governamental. Por isso, se quiserem visitar este local, convém comprar os bilhetes com antecedência, porque as entradas esgotam e o espaço fecha relativamente cedo.




Passar nem que seja pela parte externa do edifício é paragem obrigtória. Se tiverem tempo, aconselho mesmo a visitarem os interiores do edifício.













Depois de entrarem, vão passar por um controlo ao estilo aeroporto, portanto é óbvio que não vão levar nenhuma espécie de armas. A boa parte é que poderão tirar fotos a praticamente todas as salas, excepto a sala onde se encontrma as jóias do primeiro rei da Hungria, Santo Estevão.  E aqui que a Sofia fez asneira. Claramente encantada pela magnifica abóbada/cúpula deste edifício e com a máquina a apontar para o tecto tirei uma fotografia na sala proíbida. Óbvio que recebi logo montes de avisos para desligar a câmara, mas não fui nem interrogada nem me pediram a máquina para inspeção. Se lá forem, tenham cuidado e não caiam no mesmo erro que eu.
As fotos estão um bocadinho escuras, porque as próprias salas são pouco iluminadas (o que lhes confere um ar misterioso e nos remete para tempos antigos, o que, para mim, lhes acrescenta ainda mais valor).






Esta é uma das salas que os represantes e chefias dos países têm de percorrer em visitas oficiais ao país. Aqui, encontra-se uma escadaria magnífica de veludo vermelho (que arruma as passereles dos óscars a um cantinho insiginificante), pelas quais os altos representantes dos estados têm de subir ou descer. Notem o grau de riqueza da sala, com múltiplos ornamentos que são feitos de ouro. puro.









A caminho da sala proibida
A tal foto tirada na sala proibida - debati-me se a devia publicar ou não, contudo encontrei várias fotos semelhantes na internet, fiz zoom na imagem para ver se havia alguma coisa de comprometedora e não encontrei.Além disso o que não falta na internet são fotografias da dita sala.

Tivemos a oportunidade de nos sentarmos nestes magníficos sofás de veludo, que tenho a dizer que são muitíssimo confortáveis (nem quero imaginar o preço)
O parlamento tem duas salas onde se reune a assembleia legislativa, tal e qual como em Portugal. A sala que visitámos não é a utilizada, mas é uma cópia da sala onde facto ocorrem os debates.






Esta fotografia representa uma lição de vida - verifiquem todas as condições de segurança e tenham cuidado onde se colocam para tirar fotos. Porquê? Simples: eu por alguma razão achei esta porta muito fascinante e, como tal, queria enquadrá-la da melhor forma possível. Com a máquina nos olhos comecei a andar para trás sem ter noção para onde estava a andar. Não reparei num obstáculo que tinha atrás de mim e óbvio que cai.... em cima de um sofá. Juro que o guarda olhou para mim de uma forma como se estivesse a ponderar se me detia ou não. Eu e mais uma amiga rimos com a situação e esta fotografia resultou porque eu fiquei sentada no sofá, enquanto a câmara disparava.


Depois de concluída a visita ao Parlamento, descemos até à margem do Danúbio, onde podemos encontrar uma das mais bonitas homenagens feitas em memória aos que  faleceram durante a 2ª Guerra Mundial.



Dizem que quando os nazis invadiram a Hungria em 1944, se não estou em erro, uma das formas formas de assassinato foi colocar as pessoas nas margens do Danúbio e atar pesos à volta dos pés e atirá-las para o rio. Como forma de homenagem a todos os que morreram, foram colocados sapatos nas margens do rio, para que a história nunca seja esquecida e não se volte a repetir.

A história do século XX para a Hungria foi muito pesada e estou a reunir as informações que retirei de um dos museus mais marcantes que já visitei - o House of Terror - exatamente sobre este tema conturbado da história moderna. Se quiserem saber mais, estejam atentos aos próximos posts.

Até à próxima
xoxo

11 comentários:

  1. Também estou a ler um livro sobre a segunda Guerra Mundial absolutamente fascinante... ando a devorá-lo pois, tratando-se de uma biografia, tem muitos pormenores (a maior parte deles horríveis) com os quais eu não sonhava, apesar de me interessar e pesquisar bastante sobre este período da História.

    As fotos ficaram muito boas! Não conheço Budapeste, mas é uma das (muitas) cidades que planeio vir a conhecer (=

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é uma cidade fantástica, cheia de história e muito diferente ao que estamos habituados na europa mais ocidental :)

      Eliminar
  2. Um bocadinho de história acompanhada por fotografias lindaaaaas!
    E ainda me ri com as tuas peripécias!

    Givaway no blogue

    nem mais nem menos | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  3. Quero TANTO ir ao Parlamento da Hungria, opá, ahah.
    PS. Se imaginasses o que me ri devido às peripécias no sofá e na "sala proibida"...

    ResponderEliminar
  4. Estive por aqui.
    Obrigado pelas fotos.

    Felicidades
    MANUEL

    ResponderEliminar
  5. Ora pronto, conquistaste-me. Segui o blog ;) O Parlamento é lindíssimo, por dentro e por fora - não fazia ideia. E mesmo com a falta de luz tens fotografias excelentes! Olha, a mim quando me dizem que não posso tirar fotografias, arranjo sempre maneira. Muitas vezes é só por capricho, só para manter o secretismo e desta forma aumentar a curiosidade dos visitantes, o que comigo não cola. E o acidente com o sofá, haha! Que máximo! A foto ficou de facto muito bem enquadrada. Os guardas do parlamento bem que devem ter ficado com vontade de te expulsar :p
    Já vi que temos em comum o gosto por viajar, é óbvio o teu entusiasmo a falar da Hungria :)

    Aonde (não) estou

    ResponderEliminar